Category Archives: Software

Aberto o Extend Firefox 3

Extend Firefox 3

O Mozilla Labs acaba de anunciar o lançamento da terceira edição de seu concurso para o desenvolvimento de extensões para o Firefox, o “Extend Firefox 3“. Desta vez, está sendo priorizado o desenvolvimento de extensões para o Firefox 3, o qual ainda se encontra no “forno”, mas já em sua quarta versão beta. :)

Todos os projetos serão julgados, segundo o Mozilla Labs, por um grupo de especialistas no assunto. A lista dos “juízes” ainda não se encontra disponível, mas a julgar pela última edição do concurso, cujos ganhadores foram anunciados em 12 de fevereiro de 2008, e que contou com pessoal do staff do StumbleUpon, da própria Mozilla, do Netvibes e do Del.icio.us entre os avaliadores, pode-se esperar que profissionais do mesmo calibre farão parte da avaliação nesta nova edição.

Este tipo de evento é muito importante tanto para a Mozilla e o Firefox quanto para os desenvolvedores e o usuário, pois todos acabam sendo privilegiados, de uma maneira ou outra: a Mozilla e seu navegador que acabam recebendo contribuições de altíssima qualidade, os desenvolvedores que acabam tendo a possibilidade de ter seus trabalhos expostos para um número muito maior de pessoas (isto sem contar com as premiações, é claro!) e o usuário, finalmente, que acaba ganhando sempre novas funcionalidades e opções para o uso diário do navegador.

Nesta terceira edição do Extend Firefox, mais países poderão participar, e uma categoria especial foi incluída, para a apresentação de extensões já existentes para o Firefox 2.x porém disponíveis também para o Firefox 3, e que demonstrarem importantes melhorias no tocante à performance e à experiência do usuário. Ou seja, desta vez, podemos contar com muito mais trabalhos sendo apresentados! :)

Os novos projetos para o Extend Firefox 3 devem ser entregues até 04 de julho de 2008, e os ganhadores serão anunciados nesta mesma data, ou dentro de alguns dias após a mesma. Serão priorizadas as extensões que melhor fizerem uso das novas capacidades/possibilidades presentes no Firefox 3, e que demonstrarem melhores resultados no tocante à usabilidade, inovação, uso de “open standards” e à experiência do usuário em um âmbito geral.

Como no último Extend, vou também citar alguns dos prêmios, os quais continuam, mais uma vez, “dando água na boca”: :)

Então, é isso aí, pessoal. Vamos aguardar, porque muito mais coisa boa vem por aí, e o nosso Firefox vai com certeza ganhar alguns novos recursos bem legais e, com certeza, extremamente úteis.

Fonte: Mozilla Labs

Informações adicionais

Mais detalhes sobre o Extend Firefox 3 (em inglês):

http://labs.mozilla.com/contests/extendfirefox3/details.php

Site oficial do Extend Firefox 3 (em inglês):

http://www.extendfirefox.com

Compare preços de: cartão de memória, console de videogame, carregador para pilha/bateria, notebook, PC, livros, ovo de páscoa, mouse, modem

Google Spreadsheets agora possui um diretório de gadgets

O Google constantemente inclui melhorias e funcionalidades em seus produtos, demonstrando um notável esmero em relação à usabilidade, leveza e simplicidade de suas ferramentas. E quando digo “simplicidade” não digo isto em um sentido pejorativo, muito pelo contrário. O que quero dizer é que suas ferramentas, serviços e aplicativos (pelo menos aqueles que utilizo em meu dia a dia) possuem uma facilidade de uso tão grande que mesmo alguém que porventura se veja frente a um dos aplicativos do Google pela primeira vez na vida consegue, dentro de pouco tempo, senão dominar a ferramenta totalmente, pelo menos executar o básico e/ou necessário, e obter aquilo que necessita da mesma sem maiores complicações.

Isto é um grande atrativo, e também motivo de elogio à empresa, principalmente em épocas como a atual onde muitas vezes o que se vê por aí são sites e serviços baseados na web utilizando em excesso recursos, ferramentas e conceitos tais como por exemplo flash, ajax, etc, muitas vezes poluindo a página e dificultando a navegação e/ou a usabilidade da mesma. No Google tudo é “dosado”, e visa sempre a melhor experiência possível por parte do usuário.

Um exemplo disso é o excelente Google Docs, que é um “pacote” de aplicativos baseados na web, ou web apps, que contém um editor de textos (similar ao MS Word e ao BrOffice.org Writer), uma planilha de cálculos (similar ao Excel e ao BrOffice.org Calc) e um editor de apresentações (similar ao MS Powerpoint e ao BrOffice.org Impress). Uma pequena digressão faz-se necessária aqui: é desnecessário dizer que, dentre as três “duplas” de aplicativos acima citadas, prefiro com certeza os aplicativos da suíte BrOffice.org. :)

Bom, tudo o que disse acima serviu meio que como uma introdução ao artigo própriamente dito, pois desejo agora falar um pouco a respeito de uma nova funcionalidade inserida no Google Spreadsheets, a planilha de cálculos integrante do Google Docs. Além de todos os recursos interessantes já presentes (e não só na planilha, mas também nos dois outros aplicativos da suíte do Google), como por exemplo a possibilidade de trabalho em grupo, compartilhamento, alertas quando da ocorrência de modificações por outro usuário com acesso ao mesmo documento, acessibilidade a partir de qualquer computador, armazenamento online dos arquivos gerados/editados, upload de arquivos e exportação para formatos de arquivo tais como .odf, .html, .pdf e .txt (não vou citar aqui todos os recursos para não fugir do assunto do artigo), agora é possível utilizar-se uma série de “gadgets” nas planilhas do Google Spreadsheets. Vamos ao ponto, portanto. :)

Com sua planilha aberta no Google Spreadsheets, clique no menu “Inserir” e acesse a opção “Gadget”:

Google Spreadsheets - Tela inicial

Será então exibida a tela abaixo:

Google Spreadsheets - Adicionar Gadgets

Por enquanto o diretório possui ao redor de 15 gadgets que podem ser adicionados à planilha, e dentre estes podemos citar, por exemplo, gráficos os mais diversos, tabelas interativas com “filtros e agrupamento”, mapas, pesquisas na web, diagramas, etc. Ainda é possível, segundo o Google Operating System, que o usuário grave seus próprios gadgets com “bibliotecas javascript incorporadas” e adicione os mesmos à sua planilha. É possível também, após a inserção do gadget na planilha, efetuar operações bem interessantes com o mesmo, como por exemplo a sua inserção no iGoogle (página inicial personalizável do Google), publicação em websites, etc.

Para obter acesso à estas funções, clique sobre o gadget inserido para que seja exibida a barra de título e opções do mesmo. Após tal procedimento, clique sobre a seta localizada no canto superior direito do gadget, e será então exibido um menu com algumas opções, conforme imagem abaixo:

Google Spreadsheets - Configuração de gadgets

São permitidas operações bem interessantes com cada um dos gadgets, como por exemplo:

  • Publicar gadget: neste caso, é exibido um código para que você adicione o gadget a seu site ou blog:

Google spreadsheets - publicação de gadgets

  • Adicionar gadget ao iGoogle: utilizando esta opção, você é redirecionado automaticamente a uma página onde pode escolher se deseja adicionar o gadget à sua página inicial personalizada no iGoogle:

Google spreadsheets - Gadget no igoogle

  • Excluir o gadget.
  • Obter a URL de origem dos dados da consulta.
  • Obter informações sobre o gadget em questão.

Ou seja, são opções bem interessantes e úteis, estas recém adicionadas ao Google Spreadsheets, que fazem com que a suíte ganhe cada vez mais espaço e seja uma alternativa muito interessante quando se deseja, por exemplo, compartilhamento de dados, acessibilidade e simplicidade ao se lidar com dados os mais diversos.

Vale ressaltar que para melhor usufruir de todos os aplicativos presentes no GoogleDocs, é interessante utilizar um computador com uma conexão razoável à internet, bem como configurar seu monitor para resoluções a partir de 1024×768 pixels. Feito isto, tudo transcorre numa boa. :)

Fonte: Google Operating System

Informações adicionais

Acesso ao Google Docs:

http://docs.google.com

OBS: alguns dos screenshots acima inseridos foram obtidos através da extensão Fireshot (o primeiro e o terceiro, mais precisamente, nos quais utilizei algumas das opções de marcação e anotação na imagem disponíveis na extensão), disponível para o navegador Firefox, a qual permite, além da captura de screenshots da área visível no navegador e também de toda a página, diversas opções de edição, inserção de comentários e textos, quadros explicativos, formas e desenhos os mais diversos e também exportação da imagem para diversos formatos.

Já comentei a respeito desta extensão aqui no Open2Tech, e você pode conferir o referido post no link abaixo:

Screenshots de páginas web com a extensão Fireshot: fácil e rápido!

Compare preços de: câmera digital, celular, impressora, notebook, monitor, dvd player, DVDs, filmadora, SmartPhone

Aviary – Edição de imagem baseada na web

Apesar de não ser alguém que utiliza muitas ferramentas online, ou web based, preferindo ainda na maior parte das vezes os bons e velhos aplicativos instalados em meu PC (suítes de escritório, editores de imagem, etc), acredito que em alguns casos tais “modelos” suprem muito bem nossas necessidades. Por exemplo, citando minha própria experiência, sempre digo que, em minha opinião, o Google Reader é o melhor agregador de feeds existente, e é meu agregador padrão já há bastante tempo. Além disso, utilizo o Google Calendar com bastante freqüência, e de vez em quando o Google Docs.

Porém, uma ferramenta desenvolvida nos mesmos moldes das acima citadas que recentemente chamou minha atenção foi o Aviary, devido às suas características inéditas e ao cuidado dos desenvolvedores com sua interface e usabilidade, e também devido a, além de tudo, ser algo ainda, acredito eu, inédito. Trata-se de uma suíte baseada na web que contém diversas e interessantes ferramentas, como por exemplo um editor de imagens parecido com o Photoshop e/ou o Gimp, um criador de paletas de cores, um editor de imagens vetoriais, um editor de texturas e diversas outras.

Para iniciar este artigo sobre tal conjunto de ferramentas que, ainda em sua versão beta já parece ser muito promissor, nada melhor do que citar as palavras dos próprios desenvolvedores do Aviary, os “pais da criança”, os quais sintetizam em poucas palavras o que é o Aviary:

“Aviary is a suite of web-based applications (RIAs) for people who create. From image editing to typography to music to 3D to video, we have a tool for artists of all genres.”

Traduzindo:

“O Aviary é uma suíte de aplicações baseadas na web (RIAs, ou Rich Internet Applications) para pessoas que criam. Desde edição de imagens até tipografia, música, 3D e vídeo, nós oferecemos uma ferramenta para artistas de todos os gêneros.”

Me inscrevi há alguns dias atrás para o “beta test“, hoje recebi meu convite e já criei minha conta. Quando se faz a inscrição, deve-se escolher as “áreas”, ou os “aplicativos”, nos quais se tem interesse, e o pessoal do Aviary vai, então, liberar os aplicativos/convites de acordo com seus interesses. Posteriormente, dependendo do caso, pode-se expandir o acesso, mas inicialmente, recebi acesso ao Phoenix, o editor de imagens da suíte, e ao Peacock, um gerador de padrões e texturas. Pelo que pude perceber, o serviço promete, e as ferramentas ainda em sua versão beta são bem interessantes e fáceis de utilizar.

Cada ferramenta, apesar de ser “web based“, é carregada bem rapidamente e o acesso às suas diversas funções é super simplificado (mesmo estando em inglês), sendo que não se pode esperar por enquanto, é claro, funções tão avançadas quanto as presentes em um Photoshop ou em um Gimp, por exemplo. Mas, como já disse, o serviço está em constante desenvolvimento e podemos esperar por muito mais melhorias e implementações.

Dei uma olhada rápida nos dois aplicativos aos quais obtive acesso, e abaixo seguem algumas impressões iniciais sobre o Phoenix, que foi o aplicativo no qual fiz alguns testes mais demorados. O Peacock também é muito simples de se utilizar, mas mas não me demorei muito no mesmo, talvez por sua simplicidade e pelo fato de não existirem muios segredos em sua utilização e/ou no conceito por trás daquilo a que ele se propõe.

Não pretendo apresentar nenhum tutorial a respeito dos aplicativos da Aviary, pelo menos por enquanto. Minha intenção neste artigo é apenas apresentar a suíte e minhas impressões iniciais e, até mesmo, “superficiais”, a respeito dos aplicativos aos quais obtive acesso.

Vale ressaltar também algo bem criativo a respeito do Aviary: cada uma das ferramentas possui o nome de uma ave: Phoenix, Toucan, Peacock, Raven, Hummingbird, Myna, Roc, Starling, Owl, Penguin, Pigeon, Tern, Horus, Woodpecker, Rookery, Hawk, Crane e Eagle. :)

Phoenix (Editor de imagems)

Pude comprovar que a interface do Phoenix é bem amigável. Ao se criar um novo documento, são solicitados o tamanho da imagem e a cor de fundo, podendo-se inclusive definir o background como “transparência”.

O aplicativo trabalha com layers (ou camadas), sendo possível efetuar operações tais como como travamento, duplicação e agrupamento das mesmas, bem como aplicar alguns filtros bem úteis e essenciais, como por exemplo Bevel, Blur, Drop Shadow, Gradiente Bevel e Gradient Glow, sendo inclusive possível a escolha de diversos parâmetros e/ou configurações para os mesmos. O Phoenix, além disso, mantém um histórico das ações efetuadas, função muito útil e presente em todos os editores de imagens mais conhecidos.

Funções e ferramentas tais como “distortion” (distorção), seleção, eye dropper, diversos tipos de brushes (pincéis) com ajustes no tocante à tamanho, forma etc, estão também presentes. Edições dos níveis de brilho, contraste, cor e saturação também podem ser encontradas na ferramenta, bem como a famosa funcionalidade “auto-levels“, que ajusta diversos parâmetros para tentar obter automaticamente o melhor resultado possível. Aliás, um dos recursos mais utilizados (senão o único) pelo pessoal que usa o Photoshop pirata “alternativo” também está presente no Phoenix: o redimensionamento de imagens, puro e simples. :)

O aplicativo ainda permite a exportação dos trabalhos nos formatos .png, .gif, .jpg, .tiff, .bmp, .pdf e .psd (ou seja, o formato nativo do Photoshop), possibilitando inclusive a edição de atributos adicionais para os formatos .gif e .jpg.

Por enquanto, a impressão que tive do Phoenix foi a seguinte: uma ferramenta leve, rápida apesar de ser baseada na web (é claro que sua conexão à internet e a configuração de seu computador também contarão bastante para sua satisfação ou não com a ferramenta) e que fornece, pelo menos por enquanto, funcionalidades básicas para edição de imagens, porém mais do que suficientes a um grande número de usuários. Com certeza, pelo que se vê no blog e no próprio site da Aviary, o pessoal tem grandes pretensões em relação às ferramentas, e só pelo fato de ser algo totalmente inédito e que notadamente é desenvolvido mediante grande cuidado e esmero, vale a pena ficarmos de olho. :)

Peacock (editor de padrões e texturas)

Um simples porém funcional editor de padrões e texturas, com diversas opções pré-configurdas e várias possibilidades de edição das mesmas. É possível também a importação de imagens para utilização nas texturas a serem criadas, aplicação de efeitos e ajustes tais como auto-levels, color manipulation, Blur, Color Remapper, etc (todos também com diversas opções de configurações e ajustes). Trata-se também de um excelente aplicativo que, da mesma forma que o Phoenix, parece ter um futuro promissor.

Resumindo

Pelo que percebi até agora, o Aviary promete, e muito. :)

A criatividade está em alta entre o pessoal da Worth1000 LLC, desenvolvedora do Aviary, e é interessante ressaltarmos que trata-se de algo praticamente inédito. Pelo menos eu não tenho conhecimento de nenhuma suíte do tipo que seja “hosted“, ou seja, baseada na internet, e que contenha tantos aplicativos úteis e tão bem acabados. As vantagens deste tipo de ferramenta são inúmeras, e dentre elas podemos citar a possibilidade de obter-se acesso à ferramenta à partir de qualquer computador conectado à internet, sendo que a suíte ainda permite o armazenamento de arquivos nos servidores da Aviary.

Assim que conseguir acesso às demais ferramentas da suíte, postarei minhas impressões sobre as mesmas. São tantas opções, e as informações contidas no blog e no site da Aviary são tão “ricas” e animadoras, que realmente fazem “brilhar” os olhos dos visitantes e/ou futuros usuários. :)

Quer ganhar um convite para o Aviary? :)

aviary_convite.jpg

É claro que você pode acessar o site do Aviary, solicitar um convite e aguardar pela chegada do mesmo. O meu demorou mais ou menos 15 dias para chegar, via e-mail.

Mas, ao receber meu convite para acesso, recebi também 05 (cinco) convites para distribuir a quem quiser.

Se você estiver interessado, deixe um comentário neste post, e enviarei o convite para seu e-mail, com o maior prazer. :)

Os cinco primeiros levam. :)

Informações adicionais

Site oficial:

http://a.viary.com/

Lista das ferramentas disponívels:

http://a.viary.com/tools

Blogs:

http://a.viary.com/blog

http://a.viary.com/bizblog

FAQ:

http://a.viary.com/faq

Firefox 3 – cada vez mais rápido e melhor

O Firefox 3, ainda em suas versões beta (atualmente está no beta 4), já demonstra importantes melhorias no tocante à velocidade quando comparado com outros navegadores e também com suas versões anteriores. A versão 3 do navegador da Mozilla apresenta melhorias importantíssimas em diversos quesitos, até mesmo em relação ao consumo de memória, motivo de reclamações desde sua versão 1.x. Parece que finalmente o pessoal da Mozilla conseguiu “abrandar” um pouco a “fome” do navegador em sua versão 3, conforme teste efetuado pelo site Mozilla Links.

O teste

O teste foi executado através da utilização do Firefox 3 beta 3, rodando sob o sistema operacional Windows XP SP2, através do acesso a um conjunto de 9 websites e utilizando perfis recém criados e páginas em branco definidas como página inicial; os resultados foram obtidos através do gerenciador de tarefas do Windows (Windows task manager). Resumindo os procedimentos adotados, durante o teste a “dificuldade” (ou a carga) foi sendo incrementada aos poucos. Inicialmente foram abertas páginas simples e depois páginas mais complexas, sendo que estas últimas foram abertas através de novas abas, enquanto as anteriores permaneciam também abertas.

Em seguida, algumas abas foram fechadas para que fosse detectada a redução no consumo de memória, e o navegador foi então mantido em execução por cerca de uma hora, para uma melhor averiguação do consumo. Os resultados deste teste podem ser conferidos neste link, e abaixo segue uma “transcrição” da pequena tabela contendo os resultados, para melhor visualização (a mesma tabela pode também ser encontrada no link acima citado).

Na tabela, pode-se visualizar as etapas do teste e o respectivo consumo de cada versão em cada uma delas:

Tipo/Etapas do teste:

A) Websites – normais

b) websites – web 2.0

c) Fechamento de algumas páginas

d) Após 1 hora sem atividade

Firefox 2.0.0.12:

a) 73 mb

b) 149 mb

c) 142 mb

d) 181 mb

Firefox 3 beta 3:

a) 80 mb

b) 135 mb

c) 123 mb

d) 123 mb

Como podemos ver, houve uma redução de consumo significativa, e é importante ressaltar que estamos falando aqui do beta 3, ainda. Mas minha intenção ao escrever este artigo é comentar também a respeito de importantes melhorias no Firefox 3 em seu último nightly (o qual supostamente será o beta 5), no tocante ao seu desempenho em relação ao JavaScript e sua performance no geral.

O Mozilla Links repetiu os mesmos testes de “JavaScript benchmarking” anteriormente executados (em 29 de fevereiro de 2008), e podemos notar que o Firefox “conseguiu reduzir sua marca”, caindo dos 6,392 milisegundos obtidos em 29 de fevereiro de 2008 para 5,463 milisegundos no último teste. Segundo o próprio Mozilla Links, houve um ganho de 15% em relação ao teste anterior.

Confira abaixo o resultado dos dois testes:

Teste executado em 29 de fevereiro de 2008

Teste executado em 16 de março de 2008

Algumas conclusões

Como podemos ver, o Firefox 3, além de se sair bem nos dois testes, ainda foi o mais rápido dos navegadores analisados. Isto tudo, aliado às melhorias já anteriormente citadas, como por exemplo o novo gerenciador de downloads, a nova e interessante função “places” e o acesso às extensões e temas através da própria interface do Firefox, faz com que a versão final seja aguardada com extrema ansiedade. Pelo menos eu, mesmo utilizando o beta 4 em paralelo, aguardo ansiosamente pela versão final. :)

É fantástico observar-se como um navegador de código aberto pode atingir patamares tão elevados de qualidade, e o quão eficiente e excepcional pode ser o suporte técnico prestado ao mesmo, suporte este fornecido através de comunidades e listas de discussão espalhadas pelo mundo inteiro.

É claro que, em se tratando de software livre, foge-se dos modelos tradicionais de “ajuda”, ou suporte técnico. Aqui, o usuário deve procurar obter as respostas mediante pesquisa, esforço próprio e, muitas vezes, através de uma grande interação com a comunidade. Mas isto não é um ponto negativo, e sim positivo, pois possibilita um real entendimento daquilo que se busca e se precisa, e ganham ambas as partes: usuários e desenvolvedores, no sentido em que ambos promovem uma troca de conhecimentos e experiências que com certeza beneficiam o projeto como um todo.

Observando-se tudo isto através uma ótica um pouco mais “ampla”, aliás, podemos inclusive perceber e comprovar que o software livre é, antes de tudo, uma filosofia e/ou modelo de desenvolvimento que, na maioria das vezes, não almeja lucros diretos, e que permite, como pode-se perceber pelos diversos projetos similares e até mesmo pelas diversas distribuições Linux ditas “comerciais”, novos e atrativos modelos de negócio, focados no usuário e na prestação de serviços os mais diversos, e não na cobrança de licenças de uso abusivas e escravizadoras.

Pense nisto com carinho e cuidado. :)

Informações adicionais

Link para o teste de performance executado em 29/02/2008 pelo Mozilla Links:

http://mozillalinks.org/wp/2008/02/firefox-3-ultimate-feature-performance

Link para o teste de performance executado em 16/03/2008 pelo Mozilla Links:

http://mozillalinks.org/wp/2008/03/updated-web-browsers-javascript-benchmarks

Observação: este artigo foi escrito para o projeto “Blogagem Inédita“, iniciativa do site Interney. Todas as imagens foram utilizadas com autorização do site Mozilla Links, através de contato com o Sr. Percy Cabello, nesta mesma data.

Microsoft quer impor seu OpenXML a qualquer custo

Não consigo entender, sinceramente, o porquê da Microsoft ainda “brigar” pelo seu malfadado OpenXML e tentar “impor” o padrão a qualquer custo, mesmo que diversos países e organizações já tenham dito não, mesmo que o ODF esteja sendo adotado cada vez mais por mais países e instituições, e mesmo que o ODF seja mais do que suficiente ao usuário final, às organizações e aos governos.

O diretor-geral da ODF Alliance Brasil, Jomar Silva, comentou algo bem interessante a respeito do fato da votação do OpenXML ter sido colocada em Fast-Track:

“O ‘fast track’ não foi desenvolvido na ISO pra avaliar uma norma com 6 mil páginas e muitos protestaram sobre isto diversas vezes. Ele (Roberto Prado, gerente de estratégias da Microsoft Brasil) disse que ninguém sabia quando começou que seria complicado, mas não é verdade.

“Colocar uma norma com mais de 6 mil páginas em ‘fast track’ é alguma coisa de quem não quer ver debate técnico no assunto”

Concordo em gênero, número e grau com o Sr. Jomar Silva. O OpenXML é um formato com o qual nem a própria Microsoft se entendeu ainda. Basta analisarmos a coisa toda com calma, e chegaremos à conclusão de que um padrão cujas especificações estão contidas em um calhamaço com mais de 6000 páginas não é algo assim tão fácil de ser entendido, normalizado e posto em prática. Analisando praticamente, alguém já ouviu falar de algum caso de sucesso envolvendo o OpenXML? Alguém conhece algum governo que tenha adotado o padrão, ou que pelo menos o tenha adotado com sucesso?

Desde o ínicio existe, algumas vezes veladamente, outras vezes não, essa postura de tentar “empurrar a coisa a todo custo”. Existe essa tentativa, por parte da Microsoft, de tentar fazer valer sua vontade norma acima de quaisquer argumentos contrários, por mais sensatos, tangíveis e preferíveis que estes sejam.

Já que a Microsoft recentemente deu mostras (ou pelo menos tentou apenas se fazer de boazinha) de que está tentando conversar mais amigavelmente com o mundo do software opensource, abrindo, supostamente, alguns de seus padrões e especificações, por que não deixa de tanta enrolação e adota de vez “apenas” o ODF em seus aplicativos, ou pelo menos oferece um suporte adequado ao mesmo, ao invés de tentar “empurrar” um padrão desnecessário?

A ABNT já reprovou o OpenXML como padrão para documentos eletrônicos, diversas instituições, governos e até mesmo pessoas com as quais converso diariamente usam ODF há tempos, e não querem saber de uma mudança neste tipo. O que a Microsoft pretende? Será que esta é uma boa maneira de “tentar se manter sempre à frente/no topo”? Como já disse por aqui: para que precisamos de outro formato, se o ODF nos serve tão bem? :) Para que optarmos por um padrão que possui, como já dito, uma parte que não é proprietária, em detrimento de outro totalmente livre?

Importante

Preencha a petição “Say no to Microsoft Office broken standard“, no link abaixo:

http://www.noooxml.org/petition

Fonte: IDG Now

Informações adicionais

Site da ODF Alliance Brasil:

http://br.odfalliance.org

Site da ABNT:

http://www.abnt.org.br