Category Archives: Linux

Versão 0.70 do Shutter (antigo GScrot) lançada

Acaba de ser lançada oficialmente a versão 0.70 do Shutter (antigo GScrot). Este é o primeiro release lançado após a mudança de nome, após o rebranding” anunciado há alguns dias atrás.

O novo GScrot, ou Shutter (ainda acho difícil me acostumar com o novo nome :) ), já possui inclusive um novo website, onde é possível obter-se diversas informações a respeito do projeto e do aplicativo.

Shutter - exemplo

Vale ressaltar que este é um dos melhores (senão o melhor) software para screenshots no Linux: fácil de usar, rápido e repleto de recursos muito interessantes. O novo editor de imagens incluso ajuda bastante, e você pode obter maiores informações a respeito da instalação ou da atualização do GScrot para o Shutter neste artigo, bem como nos comentários do mesmo.

Atualização

Caso você já tenha executado os procedimentos recomendados no artigo acima,  para atualizar seu GScrot para o Shutter basta acessar esta página e clicar no link “Click here to install Shutter“.

Finalizando

Você pode também conferir um screencast bem interessante sobre o Shutter, nesta página, ou então obter maiores informações sobre o download (em inglês), nesta página.

Mas seguindo as instruções acima, conforme os artigos que citei aqui mesmo do Open2Tech, dá pra você realizar todos os procedimentos de instalação ou atualização numa boa. :)

Screenshots no Linux: GScrot agora se chama Shutter

Logo ShutterO GScrot, aquele excelente aplicativo para screenshots no Linux, recentemente mudou de nome e agora se chama Shutter. Os desenvolvedores resolveram realizar um “rebranding“, algo como “alterar a marca”.

Agradeço ao amigo SergioJP pelo aviso da alteração, neste artigo. Agora, você que utiliza esta excelente ferramenta, deve atualizar a lista de repositórios em seu sistema, conforme o link sugerido pelo próprio SergioJP:

https://launchpad.net/~shutter/+archive/ppa

O procedimento, na verdade, é bem simples. Pode ser feito “em modo gráfico” ou via “linha de comando”. Vamos abaixo conferir cada um dos modos de atualização:

Modo gráfico

Acesse o link acima e escolha sua versão do Ubuntu, em “Display sources.list entries for:”

Shutter - Escolhendo versão do Ubuntu Linux

Assim que escolher sua versão do Ubuntu, as “sources.lists” serão alteradas. Aqui,  basicamente, vamos utilizar CTRL+C e CTRL+V. Em seu Ubuntu, acesse o caminho “Sistema ==> Administração ==> Canais de software”:

Shutter - Acessando canais de software no Ubuntu

Após a digitação de sua senha, a janela “Canais de software” será exibida. Basta, então, acessar a aba “Programas de terceiros”, clicar sobre as duas entradas referentes ao GScrot e remover cada uma delas. Em seguida, utilizando o botão “Adicionar”, adicione as duas entradas fornecidas através do item “apt sources.list entries” acima mencionado:

Shutter - Atualizando canais de software no Ubuntu Linux

Ao executar o procedimento acima e clicar no botão “Fechar”, clique em “Recarregar”, na próxima janela, para que a atualização seja concluída.

Linha de comando

Acho este modo ainda mais simples. Também através do link exibido acima, escolha sua versão do Ubuntu e obtenha/copie as “sources.lists”. Em seguida, abra o terminal e digite o seguinte comando:

sudo gedit /etc/apt/sources.list

Digite sua senha e, com o arquivo “sources.list” aberto, adicione as duas entradas correspondentes à sua versão do Ubuntu, que você já tem em mãos, conforme procedimento acima; salve e feche o arquivo. Logo em seguida digite, ainda no terminal, o seguinte comando:

sudo apt-get update

E aguarde o término da atualização. Pronto. :)

Finalizando

O procedimento acima, seja em modo gráfico ou linha de comando, é necessário para atualizar sua lista de repositórios, para que seu GScrot seja atualizado para o Shutter, assim que a versão 0.70 for lançada, o que, segundo os desenvolvedores, deve ocorrer em breve. Esta versão 0.70, aliás, será a primeira a ser chamada de “Shutter”, conforme o próprio site oficial do projeto.

É isto, pessoal. Abraços a todos, e obrigado mais uma vez ao SergioJP! :)

REVISADO EM 18/02/2009

Pessoal, segue abaixo dica que o amigo Sérgio deu, nos comentários. Havia me esquecido disso e ele muito gentilmente lembrou. Obrigado mais uma vez, Sérgio. :)

“Só uma coisa que você se esqueceu de colocar que é a chave pgp para autenticação do repositório.
Para isso na pagina do ppa shuter clique no link que esta marcado com um monte de números 5017D4931D0ACADE295B68ADFC6D7D9D009ED615 e na pagina que abrir clique em 009ED615 vai abrir outra janela contendo a chave copie todo o conteúdo menos o que está em negrito, cole no Gedit e salve como pgp do shuter na sua pasta /Home ou outra de seu desejo.
Depois como mostrado no inicio selecione Sistema ==> Administração ==> Canais de software”: aí clique em autenticação
embaixo do lado esquerdo clique em importar chave e selecione a que você criou e clique em ok. Você será informado que foi adicionado a chave corretamente e pronto. Você terá o shuter(Gscrot) sempre atualizado.”

Informações adicionais

Maiores informações sobre o aplicativo (em inglês):

https://launchpad.net/shutter

GScrot 0.60: captura de screenshots cada vez melhor

A versão 0.60 da GScrot, uma excelente ferramenta para captura de screenshots no Linux, foi lançada há alguns dias atrás e contém uma série de melhorias e novas funcionalidades que, sem sombra de dúvidas, a tornam uma das melhores opções dentre os aplicativos do gênero.

Foram adicionados novos menus, agora é possível capturar somente uma determinada “seção” da tela, simplesmente movendo/posicionando seu mouse no local desejado, e o item “configurações (settings)” agora é uma opção do menu “edit (editar)”. Esta última modificação, aliás, ajudou a tornar a interface do aplicativo muito mais limpa e simples de se utilizar.

Houve, além disso, um “redesign” da interface gráfica do programa, bem como da janela de execução de plugins. É possível também a navegação à partir de uma “sessão” para outra, de forma muito simplificada, através do novo menu “session”, que contém links para acesso ao primeiro e ao último screenshot capturado, bem como para avanço ou retrocesso entre as diversas capturas efetuadas. Vale lembrar que cada “sessão” é uma captura de tela independente, ok?

Uma das novas funcionalidades mais legais é a possibilidade de se trabalhar com “perfis (profiles)”. Ou seja, você pode trabalhar com diversos perfis diferentes, cada um com seus devidos ajustes e diferenças, como por exemplo abertura automática das capturas no Gimp ou não, geração ou não de thumbnails (miniaturas), tempo de atraso, e uma série de outras opções muito interessantes. Além disso, foram incluídos novos plugins no software, e dentre estes, existe um (pdf export) que exporta a imagem capturada para um arquivo no formato .PDF. Muito legal, não? :)

Finalizando

O GSCrot está se tornando uma ferramenta fantástica no quesito “captura de screenshots“, e segundo os desenvolvedores, já existem planos para que as próximas versões contemplem melhorias no editor de imagens embutido no aplicativo. Estão previstas funcionalidades tais como inserção de texto, molduras, redimensionamento das imagens, marcadores, realce de texto ou de trechos da imagem, etc. Acredito que dentro de pouco tempo teremos em nossas mãos uma ferramenta completa para a captura e edição de screenshots, e o que é melhor de tudo, totalmente opensource. :)

Aliás, acabo de me lembrar de que a nova versão não está totalmente traduzida para o português do Brasil, devido à inserção de novas seções, funcionalidades, menus, botões, etc. Vou entrar em contato com o pessoal para verificar como posso terminar a tradução o mais rápido possível, e posto logo em seguida a respeito, por aqui. :)

OBS: para dúvidas a respeito de instalação e atualização da GScrot, dê uma lida em meu primeiro artigo a respeito da ferramenta.

GParted: uma ótima opção em editor de partições

O GParted é o editor de partições padrão do ambiente Gnome. É um aplicativo que, sem sombra de dúvidas, pode substituir qualquer outra alternativa similar, proprietária ou não, no que diz respeito ao particionamento de discos rígidos e a todos os procedimentos aí envolvidos.

Este fantástico aplicativo permite que você mova partições, redimensione-as e também crie novas partições. Além disso, ele permite o trabalho com diversos tipos de sistemas de arquivos diferentes, como por exemplo ext3, fat16, fat32, ntfs, linux-swap, reiserfs, reiser4, etc. A utilização do aplicativo não está restrita somente a sistemas Linux, até mesmo porque existe um LiveCD que funciona de forma totalmente independente do sistema operacional que você possui instalado.

Basta inserir o LiveCD no drive e reiniciar o computador, para usufruir de todos os recursos do software.

Sobre o LiveCD

Esta é, em minha opinião, a maneira mais segura, prática e simples de se utilizar o GParted, pois independe de instalarmos o aplicativo no computador. Na verdade, o LiveCD é um CD inicializável, que contem algo como uma pequena distribuição Linux, a qual permite, portanto, a inicialização da máquina a partir de tal CD e os posteriores procedimentos que serão realizados com o GParted. Use o LiveCD, você não vai se arrepender. :)

Inicialização e utilização

Para utilizar o LiveCD do GParted, primeiramente você deve efetuar o download da imagem ISO, lembrando que neste momento, a versão estável é a 0.3.7.7. Faça o download da imagem e grave a mesma em um CD ou DVD, lembrando que você deve, para tanto, utilizar a opção adequada para isto, conforme o software que utilizar para a gravação da imagem (Nero, K3b, Brasero, CDBurnerXP, etc).

Após a gravação, e com o CD ou DVD em mãos, simplesmente insira o mesmo em seu drive de CD ou DVD e reinicie o computador. Após uma breve “introdução” em modo texto, onde será inclusive solicitado que você escolha o idioma desejado (português do Brasil também está disponível), você “cairá” na tela principal do GParted, em modo gráfico, a qual é sucinta, leve e funcional. À partir deste momento, você estará na pequena “distribuição Linux” que mencionei acima,  um pequeno sistema operacional que permitirá que você execute diversas ações, tais como operações com o GParted, captura de screenshots, etc. Muito legal, não?

Continue reading

As tentativas de fraude online quase sempre são ridículas

Quase todos os dias me deparo com algum spam, scam, etc, etc. As palavras phishing, scam, spam, aliás, estão sempre presentes em meu cotidiano, posso dizer, mas não que eu tenha medo e/ou caia em tais “armadilhas”: é que essas tentativas de fraude são hilárias, em sua grande maioria. :)

Sobre as fraudes online

Há tempos eu estava tentando comentar a respeito por aqui, e agora não consigo “me segurar mais”. Vejam só o “belíssimo e muito bem escrito” e-mail que recebi hoje cedo. Uma simples olhada no header do mesmo já me fez rir bastante. Mas vamos ao conteúdo da “obra prima”:

“Cliente Santander,

Devido a um problema interno nosso banco de dados onde ficam as chaves de segurança ficaram em grande parte comprometidos, enquanto estamos realizando nosso backup seu acesso pelo Internet Banking e outros canais de conveniência Santander está comprometido.

Estamos lançando uma atualização do módulo de segurança Santander para corrigir o problema.

A chave, gerada pelo dispositivo abaixo, será agregada ao processo já existente, sem substituição das senhas atuais (senha de internet, senha do cartão).
Para realizar a atualização, basta clicar no link abaixo, e concluir acessando o Internet Banking.

https://www.santander.com.br/modulo

Caso o link não esteja funcionando, clique aqui.

Em caso de dúvidas, contatar a central Santander pelo e-mail atendimento@santander.com.br , de segunda a sexta-feira das 07:00 às 20:00 horas

2008 Banco Santander S.A. Todos os direitos reservados.”

Vou começar agora a enumerar os “problemas” que encontrei em tal mensagem:

1 – Destinatário errado

Não sou, nem nunca fui cliente do Banco Santander. Só por isto esta mensagem já estaria destinada ao lixo.

2 – Erros crassos diversos

Prestem atenção ao trecho inicial do e-mail:

“Devido a um problema interno nosso banco de dados onde ficam as chaves de segurança ficaram em grande parte comprometidos, enquanto estamos realizando nosso backup seu acesso pelo Internet Banking e outros canais de conveniência Santander está comprometido.”

Dá pra levar a sério algo assim?

…nosso banco de dados” e “…ficaram em grande parte comprometidos“.

Concordância zero! :)

O restante deste trecho, então, é uma mescla de burrice e falta de sentido, e o autor realmente parece supor que o destinatário é burro (ou, então, talvez o próprio autor do e-mail fraudulento o seja). Além do mais, desde quando uma instituição de tal porte cometeria erros similares, ao ponto de comprometer informações cruciais de seu sistema e/ou clientes de maneira assim tão despreocupada?

Continue reading